Voo é cancelado após polícia detectar maconha no sangue do piloto

Exame também acusou droga na corrente de uma comissária de bordo.

Voo com 192 a bordo decolou só 12 horas depois, com nova tripulação.

Depois de confirmarem que um piloto e uma comissária de bordo consumiram maconha pouco antes da decolagem prevista de um avião com 192 passageiros a bordo, as autoridades russas foram obrigadas a cancelar o voo, informaram nesta terça-feira (8) agências de notícias locais.

“Durante o exame médico prévio ao voo, o estado físico do piloto, do copiloto e de uma comissária geraram suspeitas nos médicos”, que ordenaram o cancelamento da decolagem, disse a agência aeronáutica russa Rosaviatsia.

A análise realizada não detectou o consumo de maconha pelo copiloto. Porém, no piloto e na aeromoça, os testes apresentaram resultados positivos, informou o portal Newsru.

Após o incidente, o voo, que seguia de Magadan, no extremo oriente da Rússia, até Moscou, foi atrasado por 12 horas, sendo que o avião só decolou em direção à capital russa depois de receber uma nova tripulação.

“Todos os dados relacionados ao incidente foram enviados à procuradoria de Transporte e Serviço Federal de Segurança da região de Magadan”, informou a fonte.

Voltar